jusbrasil.com.br
4 de Abril de 2020
    Adicione tópicos

    A sentença papal

    Espaço Vital
    Publicado por Espaço Vital
    mês passado

    O coroinha era fã número um do popular Papa Francisco, mas, recentemente, ao ver o Sumo Pontífice ser alvo de inúmeras críticas, o menino não se contém e interpela o Santo Padre, em plena Basílica de São Pedro.

    - É verdade que Vossa Santidade recebeu, aqui no Vaticano, um criminoso condenado do Brasil?

    E o Papa, com a “paciência de Jó” inerente à sua posição, entende ser este um momento crucial na formação cristã daquele jovem e decide não desperdiçar a oportunidade:

    - E você vê algum problema nisso?

    O menino, então, desabafa, revelando-se envergonhado em razão das palavras que vários críticos brasileiros dispararam contra a Igreja Católica e, especialmente, contra o seu chefe.

    - Aquele homem foi condenado pela Justiça Brasileira! Ele é culpado! Não podemos ser vistos andando com ele! – esbraveja, inconformado, o menino.

    - Mas a Igreja não é apenas para os inocentes, meu filho – diz o papa, com doçura. Todos têm lugar aqui, não importa que furo tenham dado.

    Francisco sorri por dentro, ao perceber o duplo sentido das palavras, mas não faz nenhuma emenda, pois a frase era verdadeira, qualquer que fosse a interpretação.

    É evidente que a pureza do menino não lhe permite perceber qualquer malícia na sentença papal. Por isso, ele prossegue, em tom inquisitório e com os olhos marejados:

    - Mas e a nossa imagem perante os fiéis? Estão dizendo que somos coniventes com postura de bandidos...

    E diante de tal reação, Francisco assume sua condição de sucessor de São Pedro para pregar:

    - Você mesmo disse que essa pessoa já foi condenada pela justiça terrena. Acaso Jesus, crucificado, não pediu perdão ao Pai para os seus executores? Ele não disse ´Amai-vos uns aos outros como eu vos amo´ (João, 15:12)? E você nos pede para dar as costas a este homem?

    As faces de Francisco ruborizam-se instantaneamente. Pelo visto, hoje será difícil de fugir dos trocadilhos.

    Percebendo tal fato, mas imbuído do espírito pastoral, o Santo Padre decide abraçar os termos de duplo sentido, por entender que se destinam a uma finalidade pedagógica, mais elevada:

    - No Brasil, recentemente, está todo mundo dando furo. O próprio Presidente, recentemente, deu um baita furo, assim como o seu principal ministro. Tudo isso está perdoado, aos olhos de Deus. Aliás, que “atire a primeira pedra quem nunca deu algum furo”, diria ele se estivesse aqui.

    Como o Papa esperava, o menino não maliciou em nada suas palavras, atendo-se à mensagem cristã. E colocando-se, finalmente, em seu lugar, ele indaga ao Santo Padre:

    - E como Vossa Santidade consegue perdoar a todos?

    E Francisco deixa escapar um suspiro antes de responder:

    - Normalmente não é tão difícil. Mas com os brasileiros, ultimamente, vou te contar... o furo é mais embaixo.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)