jusbrasil.com.br
23 de Setembro de 2019
    Adicione tópicos

    Fosse marqueteiro do Banrisul, Renato quebraria o banco dos gaúchos

    Espaço Vital
    Publicado por Espaço Vital
    há 3 meses

    Renato Portaluppi é gênio no futebol. Jogador e técnico. Estamos combinados quanto a isso. Mas como marqueteiro, é péssimo.

    Imaginemos o Banrisul optar pelo Grêmio em detrimento do Inter para fazer ampla campanha publicitária. E na camiseta ainda colocar: ´Quem não torce para o Grêmio é um mau gaúcho´.

    O que os torcedores do Inter pensariam? E o que fariam?

    Pois mais ou menos isso foi o que fez Renato, ao dizer que aqueles que forem contra Bolsonaro e Sérgio Moro são contra o Brasil. No fundo, diz que os que não apoiam Moro e Bolsonaro são maus brasileiros.

    Que feio! Como gremista - e é de futebol que estamos tratando, porque Renato é técnico de futebol do Grêmio - , diria o mesmo se ele tivesse afirmado o contrário, isto é, se dissesse que os que são a favor de Moro e Bolsonaro são maus brasileiros.

    Misturar futebol e política não dá boa coisa. Nos anos 70 houve essa mistura. Os mais velhos sabem a que me refiro. Bolsonaro nitidamente quer repetir essa conjuminância. Quer tirar casquinha da seleção, arriscando pagar mico (por exemplo, como na hora em que foi cumprimentar o zagueiro Marquinhos).

    Isso se pode dizer também do MBL e quejandos, que se apropriaram da camiseta da seleção (que é de todos os brasileiros) nas manifestações a favor do governo. Aliás, consta que, no Rio de Janeiro, nas últimas manifestações a favor do governo, mais de 30% das camisetas da seleção eram...piratas (camisas copiadas, contrafação, fabricação sem licença, etc.; como cigarros, calções da “adidas”, pilhas e radinhos também são).

    Pois é. Patriotismo é isso. Como se chama mesmo o ato de comprar produtos piratas? O inferno é o outro.

    De novo: não dá para misturar política e futebol. Metade da torcida do Grêmio e metade da torcida do Inter (menos ou mais) gosta de Bolsonaro ou não gosta. Há até o indiferente. Quando um técnico de futebol se manifesta favoravelmente a favor de uma agremiação política, causa confusão. Mas, pior do que dizer Bolsonaro e Moro são “os caras” é dizer que “aqueles que não acham que eles são os caras” são contra o desenvolvimento do Brasil. Ups.

    Treinadores e ídolos em geral devem fazer aquilo que sabem. Renato decepcionou um grande contingente de torcedores gremistas não-bolsonaristas. E, por que não, decepcionou até mesmo as pessoas que apoiam Bolsonaro, mas que são daquelas que não acham que os que discordam sejam maus brasileiros. Ou que sejam contra o progresso ou desenvolvimento do país.

    É isso. Renato deve fazer bem o que sabe fazer: treinar o time do meu coração: o Grêmio. E deve, sim, colocar Cebolinha jogando contra o Bahia.

    Ah: se o próximo treinador do Grêmio fizer o mesmo, só que a favor da antítese de Bolsonaro, farei a mesma crítica. E a crítica será mais forte se ele acrescentar que “aqueles que não concordam são contra o Brasil”.

    Bom, está explicado o porquê de o Banrisul patrocinar igualmente Grêmio e Inter. Fosse pelo ´MARQUETINGUE´ de Renato, o banco faria a opção por um dos dois. E quebraria.

    Como já escrevi acima, Renato é gênio no futebol. Mas também é boquirroto. Neste momento, o que ele fará de melhor e apropriado é treinar mais o Grêmio, dar menos folgas aos atletas regiamente pagos, recuperar o estilo de jogo de 2017/2018 e... não se meter nesse intrincado “grenal” político entre bolsonaristas e não bolsonaristas, entre lulistas e não lulistas. Esse jogo só dá goleada...contra.

    Saludos! E viva a diversidade política.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)