jusbrasil.com.br
25 de Outubro de 2020
    Adicione tópicos

    Abatam-se as capivaras!

    Espaço Vital
    Publicado por Espaço Vital
    há 10 anos

    A 2ª Vara da Fazenda Pública de Campinas (SP) negou liminar à Associação Protetora da Diversidade das Espécies (Proesp) que pedia a suspensão do abate das capivaras isoladas no chamado Lago do Café, a maioria infectada pela febre maculosa.

    De acordo com a decisão, o Ibama já havia autorizado o abate desde março de 2009, com o objetivo de preservar a saúde pública. No entanto, o município optou por isolar os animais e criar um centro de pesquisa para o controle da doença. A medida não surtiu efeito, sendo que um funcionário que tratava dos animais faleceu em outubro de 2010.

    As autoridades sanitárias em consenso optaram pelo abate das capivaras, única forma de aniquilar de vez o risco da febre maculosa no local, afirma a magistrada que proferiu a decisão, Eliane da Câmara Leite Ferreira.

    Tendo a Municipalidade autorização para o abate dos animais, bem como demonstrado o risco à saúde pública, não se vislumbra manifesta ilegalidade que justifique a concessão da liminar, completa.

    Com relação a notícias de eventuais maus-tratos aos animais por parte do Município, a juíza afirma em seu despacho que o fato está sendo apurado em inquérito policial e que, se constatada omissão do poder público, a questão deverá ser objeto de outra ação.

    Ainda não há trânsito em julgado.

    A febre maculosa é uma infecção aguda causada pela bactéria rickettsia rickettsii. O homem é infectado pela picada do carrapato que eventualmente carrega esta bactéria nas suas glândulas salivares. O carrapato infesta animais domésticos como galinhas, cavalos, bois, cachorros e porcos e também animais selvagens como gambás, capivaras, cachorros-do-mato, coelhos, tatus e cobras.

    Nos primeiros dias de febre pode aparecer a mácula, de onde vem o nome da doença. São lesões de pelé, róseas, nos punhos e tornozelos, que progridem para o tronco e face e após, mãos e pés. Em dois ou três dias, as lesões adquirem volume e podem ser sentidas ao toque quando ficam de uma coloração mais forte. Após quatro dias podem ficar arroxeadas. Nas áreas de maior atrito, podem se unir e formar uma placa que se parece com um hematoma. Pode haver descamação nas áreas mais intensas. O local onde houve a picada pode formar uma úlcera necrótica semelhante à lesão de picada de aranha.

    A mortalidade é de 20%.

    Uma curiosidade: a febre maculosa é a mesma conhecida nos Estados Unidos como Rocky Mountain Fever, ou "Febre das Montanhas Rochosas". (Proc. nº 114.01. - com informacoes do TJ-SP e da redação do ABC da Saúde)

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)