jusbrasil.com.br
23 de Junho de 2021

Joaquim Barbosa diz que o Brasil não está preparado para ter um presidente negro

Espaço Vital
Publicado por Espaço Vital
há 8 anos

Em entrevista concedida ao jornal O Globo - e publicada na edição dominical (28) - o presidente do STF Joaquim Barbosa disse que não será candidato à Presidência da República. "Nunca pensei em me envolver em política. Não tenho laços com qualquer partido político".

Ele interpreta os aplausos que recebe nas ruas como "manifestações espontâneas da população; são pessoas que pedem para que eu me candidate e isso tem se traduzido em percentual de alguma relevância em pesquisas".

Respondendo a uma pergunta da jornalista Miriam Leitão se "o Brasil está preparado para um presidente da República negro?", Barbosa respondeu que "não".

E explicou: "Ainda há bolsões de intolerância muito fortes e não declarados no Brasil. No momento em que um candidato negro se apresente, esses bolsões se insurgirão de maneira violenta contra esse candidato. Já há sinais disso na mídia". Ele não vê "a ascensão dos negros como algo muito significativo, ainda havendo setores em que os negros são completamente excluídos".

Avalia que "os negros são uma força emergente. Antes, faziam sucesso só nas artes e no futebol, mas, agora, eles estão se preparando para chegar nos postos de comando e sucesso em todas as áreas".

Barbosa pontuou que as investidas da Folha de S.Paulo contra ele "já são um sinal". E relatou: "o jornal expôs meu filho, numa entrevista de emprego. No domingo anterior (22) houve uma violação brutal da minha privacidade. O jornal se achou no direito de expor a compra de um imóvel modesto nos Estados Unidos. Tirei dinheiro da minha conta bancária, enviei o dinheiro por meios legais, previstos na legislação, declarei a compra no Imposto de Renda. Não vejo a mesma exposição da vida privada de pessoas altamente suspeitas da prática de crime".

A uma pergunta sobre "o partido político que representa mais o seu pensamento", Barbosa resumiu ser "um homem seguramente de inclinação social democrata à europeia".

Também contou que sempre foi discriminado. em todos os trabalhos, do momento em que comecei a galgar escalões. E foi explícito: "o Itamaraty é uma das instituições mais discriminatórias do Brasil. Passei nas provas escritas, fui eliminado numa entrevista, algo que existia para eliminar indesejados. Sim, fui discriminado, mas me prestaram um favor. Todos os diplomatas gostariam de estar na posição que eu estou hoje. Todos".

Leia a íntegra da entrevista no jornal O Globo. http://oglobo.globo.com/pais/joaquim-barbosa-brasil-nao-esta-preparado-para-um-presidente-negro-9224636

68 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

A entrevista do Ministro Joaquim Barbosa confirma tudo que penso sobre ele, após conhecer sua trajetória para atingir o topo. É íntegro, consciente, sincero. Percebe-se com meridiana clareza que é incorruptível.
Quanto à opinião sobre discriminação, discordo porque, na verdade discriminação nada tem a ver com a cor, mas com não ter dinheiro, que o vulgo chama de pobreza. Quem vem de baixo sofre discriminação sim. Fui muitíssimo discriminada, na minha trajetória, por causa de dinheiro. É grande o número de brasileiros que vieram da base da pirâmide social e sofreram discriminação de toda ordem. continuar lendo

Joaquim Barbosa sempre trazendo consigo palavras fortes. Destaco o trecho : Avalia que "os negros são uma força emergente. Antes, faziam sucesso só nas artes e no futebol, mas, agora, eles estão se preparando para chegar nos postos de comando e sucesso em todas as áreas".

Eu votaria em você! continuar lendo

Sou branco, mas sinto muita honra do Ministro Joaquim Barbosa, pelo cargo que exerce, pelo homem digno de alma multe colorida que ele é, gostaria que ele mudasse de ideia e fosse candidato ao cargo de presidente da república. Eu, seria voluntariamente um cabo eleitoral fervoroso, por esse brasileiro que representa o nosso povo com a maior dignidade possível. continuar lendo

Muito interessante a última parte: "Sim, fui discriminado, mas me prestaram um favor. Todos os diplomatas gostariam de estar na posição que eu estou hoje. Todos". continuar lendo